Que atire a primeira pedra quem nunca ouviu um “Vou estar transferindo a ligação” e similares ao entrar em contato com o serviço de atendimento de alguma empresa, os famosos call centers. A hipótese mais aceita para tal fato vem da tradução literal do inglês, baseada na construção will be, sem respeitar a adequação linguística, fundamental para uma tradução de boa qualidade.

Do ponto de vista gramatical, o caso dos call centers se enquadra num fenômeno chamado hipercorreção, que ocorre quando o falante faz uso de uma forma linguística em contexto inapropriado (cf. Labov). Simplificando, é o que acontece ao se falar de certa maneira por achá-la culta, embora isso seja feito ferindo regras e normas gramaticais.

Além de, foneticamente, fazer doer os ouvidos, esse gerundismo é completamente desnecessário, sendo perfeitamente substituido por construções mais simples como “vou transferir”, preservando o sentido.

Justiça seja feita, o uso de expressões com essa construção não é mais restrita aos atendentes de telemarketing, já estando disseminadas em nossa sociedade há algum tempo. É o caso de Olívio Dutra, à época Ministro das Cidades, em entrevista ao site Cidades do Brasil:

“Nós vamos estar trabalhando num projeto que não é localizado. Nós vamos trabalhar muito numa relação aberta, plural, diversificada…” (Grifos meus)

É curioso notar como o próprio ministro se corrige. Vale lembrar que Olívio Dutra é formado em Letras.

Caso semelhante ocorreu em entrevista de Roger Agnelli, presidente da companhia Vale, segunda maior mineradora do mundo:

“E, concomitantemente com esse projeto, nós vamos estar fazendo o maior projeto de porto, o maior investimento em porto da América Latina…” (Grifos meus)

Portanto, pense bem antes de se referir pejorativamente a funcionários de call centers, atendentes de loja, recepcionistas, entre outros, simplesmente pela maneira que falam, pois eles são apenas a face mais visível de vícios de linguagem já incorporados à expressão oral de nossa sociedade, mesmo daqueles que ocupam posições socialmente privilegiadas.

Anúncios

2 comentários em “O call center e a hipercorreção

  1. Labov jamais mencionou que hipercorreção seria isso, na verdade, ele adicionou a esse conceito tradicional algo de fundo linguístico!

Deixe aqui seu comentário, crítica ou sugestão:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s