Dialeto de Hessen

Não existe um dialeto único em Hessen, Alemanha, mas sim diversas variantes dialetais semelhantes. A forma original foi preservada por emigrantes alemães na Hungria. Com o Estado de Hessen se associam não só especialidades como Handkäs e Äppelwoi, mas também um grupo de dialetos muito particular. Handkäs é um queijo picante geralmente servido com vinagrete; Äppelwoi é o vinho de maçã (Apfelwein) característico da região; e os principais dialetos são os de Frankfurt e do sul do Estado, apesar de a região ser bastante rica em diferentes falares.

Basta consultar um lingüista para descobrir que, na verdade, não existe um dialeto unitário na região, mas sim cinco variantes similares, faladas no Baixo Hessen, no oeste, no centro, no sul do Estado e até o chamado novo dialeto de Hessen. Falantes nativos podem confirmar que o jeito de falar muda de vilarejo para vilarejo, embora os “leigos” insistam em se referir a um dialeto único, associando-o ao carnaval de Mainz.

É um grande desafio aprender a linguagem falada em Hessen. No entanto, ouvindo-a com atenção, é possível derivar algumas regras básicas e decorá-las sem problema.

A característica que mais chama a atenção é a predominância dos sons chiados, como no português de Portugal. Isso acontece porque as pessoas de Hessen pronunciam “ich” como “isch”. É importante saber que wichtig (importante) vira wischtisch. Das mag man ferschterlisch (fürchterlich) finden, oder eben einfach nur ganz herrlisch (herrlich)! Ou seja: Há quem ache isso horrível ou simplesmente o máximo!

Anúncios

Ver pra aprender

Diz o ditado que uma imagem vale mais que mil palavras. Verdade ou não, o que não pode ser negado é que as imagens ajudam e muito no aprendizado de idiomas. E com base nessa idéia foi criado o Language Guide, um guia para o aprendizado do vocabulário dos idiomas mais procurados.

Até o momento estão disponíveis: inglês, francês, alemão, espanhol, italiano, holandês, japonês, coreano, russo, turco e mandarim, além do português. As imagens, disponibilizadas por categorias, são acompanhadas da respectiva pronúncia de cada palavra, contribuindo ainda mais para a assimilação dos termos estudados.

Acesse: http://www.languageguide.org/br/

Botando os pingos nos ‘ii’

Já se perguntou qual a razão do pingo na letra ‘i’ ? Ele não esta aí à toa.  Essa marcação veio do latim, afim de diferenciar a sequência ‘ii’ (comum no latim) da letra ‘u’ minúscula.  Mas já imaginou o ‘i’ sem pingo? Continue lendo “Botando os pingos nos ‘ii’”

África, pátria de todas as línguas?

A questão da origem do homem ocupou por muito tempo a ciência, até que analises de DNA apontaram termos todos um berço comum: o continente africano. Por essa razão, é lá que há uma maior diversidade genética, que decresce na Ásia e Europa e se torna menor ainda nas Américas e Polinésia. Continue lendo “África, pátria de todas as línguas?”